20 de outubro de 2008

Sob a influência de qual lâmina do Tarô você está agora?

Resolvi falar um pouco sobre a vida e sua relação com o Tarô.
Para aqueles que são familiarizados com esse maravilhoso amigo oráculo fica fácil estabelecer a relação de cada lâmina com um determinado momento na vida.
Não pretendo abordar o tão comentado Caminho do Louco, porque temos vasto material sobre essa intrépida jornada.
Minha intenção é fazer pensar e constatar a existência de uma linha que liga – e muito – nossas experiências com as cartas do Tarô.

O MAGO

Algum dia, em algum momento, seja idoso, seja adolescente, você sentiu que tinha tudo de que precisava nas mãos, um caminho promissor e sedutor, uma oportunidade e a grande chance de mostrar a todos o seu valor, e de repente, não mais que repente, você sente que não sabe o que fazer?
O fato é que você quer, você pode, mas por alguma razão você não sabe como agir.
Na verdade, nesse momento lhe falta algo, talvez mais bagagem de vida, experiência, conhecimento, um diploma... E então duas coisas podem acontecer: Você vai e enfrenta essa dificuldade e se vira para conseguir aprender e esconder dos outros que lhe faltavam alguns atributos, ou você se dedica a aprender antes de encarar o desafio.
Isso porque O Mago é curioso e quer agir mesmo sem saber ao certo como e o que alcançar.
É fácil notar essa postura em algumas pessoas que começam um curso de graduação ou quando começam em um determinado emprego, ambos muito almejados. Querem abraçar o mundo, conquistar altos postos, fazer uma carreira brilhante, ter reconhecimento por um excelente desempenho, mas não sabem exatamente como fazer isso e o que realmente alcançar. Buscam informações, experiência, investigam o caminho e agem, seja de forma impulsiva e tropeçando no caminho, seja com mais calma.
Esse é o seu momento Mago!

A SACERDOTISA

A Sacerdotisa representa o conhecimento de tudo aquilo que é oculto e que se manifesta no mundo físico. Logo, quando estamos sob essa influência tendemos a encontrar respostas ocultas para tudo aquilo que nos acontece. Muitas vezes por insights sabemos como agir diante de uma situação difícil ou compreendemos o estágio pelo qual estamos passando.
É o momento em que temos o conhecimento de tudo aquilo que está por trás de uma cena, compreendemos a mensagem nas entrelinhas, enxergamos o lado oculto das coisas. E isso é fruto de nossa conexão com níveis mais elevados e com a abertura de nossos canais de percepção.

A IMPERATRIZ


Chega um momento – ou vários – em que estamos totalmente tomados de paixão por alguém ou por um projeto. Os sentimentos falam muito mais alto e então nos dedicamos efetivamente àquilo que nos fez apaixonar.
Criamos, construímos, modelamos e trabalhamos naquilo que nos satisfaz. Uma idéia que passa a ser posta em prática e pela qual empenhamos todos os nossos esforços. Essa é a energia da Imperatriz, A Grande Mãe. E é tal qual uma mãe que cuida de seus filhos, que buscamos realizar e produzir alguma idéia.
Nesse ponto estamos agindo dia-a-dia para que um projeto ou uma relação seja sólida, forte, sem nunca esquecer a força sentimental pulsando de dentro para fora.
Toda vez que nos focamos em algo tal qual uma mãe em seus filhos, estamos diante da força da Imperatriz em nossas vidas.

O IMPERADOR

Quando empreendemos todos os nossos esforços num ideal e este passa a se movimentar sozinho, sem que precisemos estar a todo o tempo nos dedicando, sentimos a necessidade de uma renovação ou até mesmo de um novo caminho.
Não é nosso desejo abandonar aquilo que construímos, mas dar ênfase em outras áreas de nossas vidas.
E é quando temos o poder de renovar e empreender outros aspectos de nossas vidas que sentimos a força confiante, capaz e firme do Imperador.
Nesse estágio estamos convictos de que tudo o que construímos foi um sucesso e então ansiamos por novos desafios, novas jornadas, novos horizontes a serem conquistados.
Essa força é tão forte que, muitas vezes, nos esquecemos do nosso lado sentimental, nosso lado frágil... Não há espaço para nos sentirmos vítimas ou fracos, pois enxergamos nossas conquistas, sabemos do nosso trabalho bem executado e então precisamos de mais.

O HIEROFANTE

Sempre existe a fase do muro das lamentações. Fase em que estamos tão absortos em ajudar o outro, a passar nosso conhecimento, a dividir com o próximo um pouco da nossa paz.
Tem gente que passa a vida inteira sob forte influência do Hierofante, pois é tido pelos outros como um conselheiro, um guia, um ombro amigo que não apenas escuta, mas que traz a paz, a fé na vida, o perdão.
Tem gente que não possui muito essa tendência, o que não significa ser pior ou melhor, apenas diferente. Nesse caso a influência do Hierofante se dá no nível interno. É aquele momento em que nos encontramos com nossos mentores espirituais, nossos guias internos, nossa verdade interior.
Tenho certeza de que alguns podem não passar pela primeira experiência de ser o Hierofante alheio, mas certamente todos nós nos encontramos, vez por outra, com nosso Hierofante interno.


OS ENAMORADOS

Por essa todos nós passamos e muito na vida. A escolha. E é verdade mesmo: a vida é feita de escolhas. Quando o arco VI chega, traz consigo a dúvida e a necessidade de se posicionar, tomar uma decisão, fazer uma opção.
Num belo dia, como tantos de um belo ano, precisamos escolher qual trilha tomaremos. A falta de grandes escolhas nos remete a uma vida pequena, morna, enfadonha e triste. É natural ter medo de escolher um caminho, afinal, deixaremos para trás algo que nos era caro ou que nos era confortável. Sempre fazemos nossas escolhas baseadas naquilo que vamos deixar para trás, o perigo é se prender demais naquilo que DEVE ficar para trás por medo do novo.
A influência do arco VI é talvez a de mais fácil visualização, afinal, fazemos escolhas – grandes ou pequenas – todos os dias. E é através dessas escolhas que moldamos a teia de nossas vidas.

O CARRO

Sempre depois de uma grande escolha na vida, vem o momento de seguir em frente e administrar a escolha. Essa fase sempre vem com uma promessa de vitória, afinal, escolhemos nosso próprio destino e é bem possível que tenhamos vitória. Entretanto tendemos a lamentar aquilo que deixamos para trás, pensando na vida que poderíamos ter tido se tivéssemos optado por outro caminho. Seguimos em frente mesmo assim, pois fizemos a escolha, assim quisemos! Mas fica a dor daquilo que deixamos em algum lugar. Na verdade talvez a dor seja de deixar para trás um pedaço de quem fomos – quando não por completo – e de quem poderíamos ter sido se optássemos de força diferente.
Todos nós temos esse sentimento e é por isso que embora um ótimo futuro se avizinhe, embora tenhamos sido donos de nosso destino, essa fase é um tanto dolorosa.
Lembremos que quem conduz o carro é o condutor e é desse que depende a chegada segura ao destino desejado.

A JUSTIÇA

A lâmina da Justiça se refere à justiça humana, mais ou menos como um “toma lá, dá cá”. Pois bem, quando você sentir que determinado fato ocorreu por razões de causa e conseqüência (sejam boas ou más) estará sob a influência da Justiça.
É o momento do troco, da troca, de um favor recebido sem esperar, de uma perda, de uma conquista. Ou seja, tudo aquilo que vem de outra pessoa em sua direção, e que temos aquele insight de que o que recebemos é nada mais nada menos que o fruto de nossos próprios atos. Afinal, somos parte de um todo.

O EREMITA

Esse é aquele momento em que quem o conhece superficialmente tende a julgá-lo como um chato, um arrogante ou um encalhado. E se você, assim como eu, for uma mulher, a coisa complica mais ainda!
O fato é que O Eremita toma conta de nossas vidas naqueles momentos em que nos retiramos de cena, naquele momento em que aprendemos a valorizar tudo aquilo que tem real importância em nossas vidas. A vontade de se isolar é maior que outras vontades outrora tão latentes.
Essa retirada não é, em alguns casos, pesarosa. No entanto, pode ocorrer de a pessoa não se dar conta da necessidade de uma pausa para compreender seus valores e suas limitações. Neste contexto, realmente, o indivíduo se sente oprimido e muitas vezes confuso sobre qual decisão tomar (seguir como está, ou dar a parada).
O chamado do Eremita pode vir como um sentimento de angústia repentina, principalmente para pessoas muito ativas, que não têm tende a respeitar seus próprios ritmos. Porém, uma vez entregue ao poder do sábio Eremita, a pessoa sob sua influência parte rumo à experimentação de paz e tranqüilidade indescritíveis. Não é por outra razão que passa, muitas vezes, a ser um bom amigo conselheiro, aquele que, tal qual a figura da lâmina, leva luz ao próximo.


A RODA DA FORTUNA

Este é o momento-destino!
Estar sob a influência deste arcano é estar vivo, é receber o resultado de nossas escolhas. Resultado esse que nos chega por vias muitas vezes não muito críveis. Coisas estranhas acontecem, coisas boas e coisas más. É a grande roda da vida, uma vez embaixo, noutra vez em cima.
No entanto, tudo como forma de aprender e evoluir.
Trata-se de um momento de mudança, quando passamos do lado de cima da roda para o lado de baixo, ou o contrário. Muitas vezes, nessas situações, nos perguntamos o por quê. Mas a resposta só nos vem algum tempo depois.

A FORÇA

Nos momentos em que tudo foi perdido e todos ao redor se desesperam, você mantém a serenidade e o controle, estufa o peito, faz o que tem de ser feito e transmite essa força aos demais. Posso lhe dizer, é a influência do arcano XI.

O ENFORCADO

Eis um momento em que estamos parados, estagnados, esperando uma mudança que muitas vezes depende de nós mesmos e, embora soframos com essa espera, nada fazemos para que a mudança ocorra.
Note que nessa situação você não sofre por estar estagnado, às vezes é até uma posição aparente confortável e cômoda, mas que mascara a realidade, impedindo a mudança e, conseqüentemente, a evolução.
Uma outra forma de enxergarmos a influência do Enforcado é como aquele momento em que é necessário estar numa posição de estagnação e nos sacrificamos para tal, buscando, com isso, a conquista de um ideal maior.
E existe ainda a situação de entrega espiritual, em que você abdica de muitas coisas em prol de sua filosofia religiosa.
Todas são influências do arcano.

A MORTE

Términos bruscos, separações, mudanças internas e externas, todas são influências da Morte. Sempre são dolorosas e, nesses momentos, necessitamos entender o motivo das mudanças. O real motivo é a renovação em nossas vidas.
Não é uma tarefa fácil, pois implica no fim de algo para o nascimento de coisa frontalmente diversa.. É como sair da pobreza repentinamente, ou perder tudo o que se tem também repentinamente.
Ficar muito rico pode parecer ótimo, mas pode doer ter de se desligar de certos aspectos da vida (não que não se acostume rápido, claro). É a dor da transformação do ego, da vida..

A TEMPERANÇA

Chega aquele momento em que tudo está em seu lugar, nada de surpresas internas ou externas, o que pode gerar, para algumas pessoas, uma leve sensação de tédio. Coisa, infelizmente, normal nos seres humanos. Necessitamos de adrenalina, viver implica batalhas, emoção. Quando nos deparamos com situações de calma interna e externa somos impelidos a transformar essa calmaria em qualquer outra coisa.
Mas essa transformação realizamos sob influência de outra Lâmina, pois na Temperança, no mais das vezes, tem-se a sensação de que tudo está como e onde realmente deveria estar.

O DIABO

Agora estamos entregue a nossos desejos e vícios, na exata amplitude que tal afirmação abarca. Isso porque o arcano XV é muito abrangente.
Mas, basicamente, estamos sob influência do Diabo quando nos entregamos às delícias da vida, como o sexo, também quando estamos apaixonados por alguém que nos desperta desejo sexual intenso, ou apaixonados por algum ideal profissional, algo que lhe será rentável, pois o Diabo rege também as ambições.
Também estamos diante dos vícios, logo, está sob influência desta lâmina aquele que se entrega a todo e qualquer tipo de vício.

A TORRE

A influência da Torre consiste na quebra de estruturas, uma mudança brusca de um conflito que existia já há muito tempo.
A própria situação de conflito é dolorosa e nos obriga a despender muita energia, mas não conseguimos nos desvencilhar da situação facilmente, até que a Torre vem e provoca uma reviravolta dolorosa.
Essa reviravolta causa dor e vem de maneira a nos fazer questionar nossa posição no problema.
É sentida, por exemplo, no término de um relacionamento que há muito tempo nos impedia de crescer, mas que não tínhamos força para colocar um ponto final.
Como conseqüência desse processo, temos, depois de um tempo, a libertação de tudo que nos aprisionava e a limpeza necessária para que o novo possa surgir.


A ESTRELA

A força dessa lâmina nos traz a esperança de dias melhores, seja em uma situação de angústia ou de possibilidades de melhorar uma situação que já era boa.
Estamos sob essa influência quando começamos um projeto novo, pois novas idéias surgem, novos investimentos parecem promissores e, então, temos a sensação de que tudo vai melhorar a cada dia.
Em verdade, trata-se de daquela porção de otimismo que todos nós guardamos em relação ao futuro de alguma coisa.

A LUA

Sempre que nos entregamos ao nosso interior, a ouvir a voz do nosso inconsciente, estamos sob influência da Lua.
Paramos para sentir o momento, encontrando respostas dentro de nós mesmos.
Pode ser uma situação difícil quando temos a tendência a racionalizar as emoções. Tal qual é a natureza da Lua, essas circunstâncias são transitórias e cabe a nós aprendermos ou não com essas experiências.

O SOL

Quando estamos sob a influência do Sol, tendemos a enxergar tudo a nossa volta com mais clareza. É, portanto, uma influência que traz enorme satisfação, ainda que enxergar com clareza signifique deixar para trás certos aspectos de nossas vidas.
Não traz dor porque aqui estamos naquele estágio de alegria, em que queremos algo novo, e esse algo se manifesta em nossas vidas.
Também marca aqueles momentos em que estamos felizes na companhia de amigos, sejam novos ou antigos.
Por outro lado, o Sol pode trazer uma influência negativa, pois sua luminosidade tanto ilumina quanto cega. Esse estado de cegueira pode nos conduzir à falsa idéia de alegria.

O JULGAMENTO

É chegada a hora do acerto de contas. Esse arcano marca aqueles momentos em que somos chamados pela vida a certar contas, tanto conosco como para com o próximo.
Traz sempre uma solução, um acerto para determinada situação. Esse acerto pode ser positivo ou negativo, dependendo de nossos atos e dos atos dos outros.
Podemos notar a força do julgamento atuando em nossas vidas quando somos forçados a resolver uma injustiça praticada, por nós ou pelos outros. Nesse momento temos a oportunidade de solucionar a pendência.


O MUNDO

Sabe aquele momento em que conseguimos algo que almejamos há muito tempo? Pois a sensação de satisfação por essa conquista e a própria conquista em si são influências do Mundo.
Momentos de incrível felicidade e satisfação são influencias dessa lâmina.
Também sentimos a influência do Mundo quando terminamos um trabalho e então é chegada a hora de dar o próximo passo, carregando conosco o doce sabor da conquista e satisfação.

Bem, essas são, em linhas gerais, as influências de cada arcano em nossas vidas.
Não devemos esquecer que uma situação pode, e em geral é o que ocorre, englobar não um único arcano, mas diversos.
Por isso, aconselho sempre a leitura com mais de uma carta, para que possamos avaliar de forma mais completa a situação em que nos encontramos.
Cada lâmina encerra em si um universo, uma mensagem, uma lição, uma luz para aquele que procura conhecer a si, seu meio e aos outros. É a ligação direta com algo superior? Com seu Eu Interior? É puro raciocínio embasado na capacidade de assimilação do ser humano?
Bem, deixo a vocês essas perguntas e um convite: Experimente o Tarô, conheça-o, construa uma amizade com ele e, então, poderemos discutir esses questionamentos.
Aposto que será, no mínimo, divertido!
Postar um comentário