18 de maio de 2009

ARCANO XV - O DIABO

O Diabo, como é conhecido este arcano, também padece do problema da incompreensão. Tido como um arcano que prenuncia o mal, a traição, o engano, os vícios... é temido por muitos.
Mas assim como muitas outras cartas, O Diabo não simboliza apenas isso e nem é aquilo que a visão deturpada de tanto tempo nos passou. É preciso olhar mais profundamente para ele para compreender toda a sua complexidade.
O Diabo simboliza aquela situação em que estamos diante de nossas sombras, daquele aspecto de nós mesmos que detestamos encarar. Ele aparece quando estamos imersos naquela parte de nós que não mostramos nem para nós mesmos, ou quando é preciso encarar todas as nossas fraquezas, medos, erros e vontades escondidas no mais recôndito do nosso ser. Ele simboliza todas a ilusões que criamos para nos satisfazer e para nos enganar... não, ele não é um ente que as traz, ele mostra a nós que nós mesmos criamos essas ilusões e nos tornamos escravos delas. Situações que não nos fazem lá muito bem, mas que por algum motivo não conseguimos, ainda que provisoriamente, sair delas... viciamos em vibrar naquela energia. É por isso que encontramos na carta do Diabo, na maioria de suas representações, dois seres humanos acorrentados, amarrados, de alguma forma restringidos, enquanto O Diabo as controla.
Na verdade, O Diabo apenas faz o seu trabalho, nós é que não o compreendemos. O Diabo é o condutor do êxtase, do corpo, do sexo, de tudo aquilo que é material. E nós, muitas e muitas vezes, apenas nos deixamos levar por tudo isso. Escravidão. Ele não nos escraviza, ele apenas faz o trabalho dele... Tenham isso em mente e notarão o quanto somos responsáveis por nossas vidas. Não há alguém para culpar, embora sempre busquemos isso. O Diabo nos mostra também essa característica, o de procurar um bode expiatório. Aliás, ele é o próprio símbolo do bode expiatório, pois ele mesmo se tornou isso para a humanidade que, temerosa em assumir seus impulsos, rejeitando a sombra e ignorando a existência do Diabo acaba por tornar-se vítima manipulada. Somente quando encaramos o Diabo dentro de nós é que somos nós mesmos por completo.
O Diabo, então, não é o mal! Somente vivenciando esse aspecto de nós mesmos aprendemos a outra lição desse Senhor: a alegria de estar vivo, de ser matéria, de ser corpo, de fazer sexo, de comer, de ir ao banheiro.
A humanidade negou O Diabo por não compreende-lo, a humanidade o teme por não querer enxergar que, na verdade, ele é um aspecto da própria humanidade.
“Deus fez o homem sua imagem e semelhança.”
Ele é o fruto da árvore proibido, que sempre simbolizou somente o conhecer do bem e do mal. O Diabo nos ensina, e muito, que somente é possível equilíbrio se conhecer o nosso bem e o nosso mal, e o bem e mal de tudo. Isso é completude. Mas só podemos vivenciar o mal... vivenciando aquilo que mais tememos. Não me admira que essa figura tenha sido transformada em algo tão amedrontador.
Ele é o poder oculto que constrói e destrói. Ele é aquele que escancara as nossas portas e janelas, nos mostrando como insistimos e negar nossos próprios erros, nossas próprias ações. Ele não tinha nem de longe como ser suave, fácil, tranqüilo.
Isso é O Diabo!
Aquele que nos força a trazer à tona tudo aquilo que esforçamos em esconder. Ele simboliza o engano e a traição sim, mas muito mais profunda é a traição que fazemos conosco ao negar esse lado sombrio.
Ele é implacável. Não há como fugir. O grande lance é esse: quanto mais se foge, mais escravo você fica.
Numa jogada, analisar as cartas ao redor fará toda a diferença, pois ele poderá simbolizar os enganos, as mentiras, as trapaças... mas também poderá simbolizar a paixão, o sexo, a alegria de estar vivo e pisando a terra. Sinta essa carta com todo o seu corpo quando estiver lendo as cartas. Analise bem... O Diabo engana!

PALAVRAS-CHAVE: desejo, instinto, impulso, potência, possuir, matéria.

PERSONALIDADE: uma pessoa apaixonada, criativa, produtivo ou destruidor, que utiliza dos meios que forem necessários para conseguir o que deseja.

ASPECTOS POSITIVOS: diplomacia, poder, persuasão, influência, desejos, sexo, o corpo, o dinheiro, a alegria, o êxtase, realizações materiais, dominação das massas, sensualidade, criatividade, vontade firme.

ASPECTOS NEGATIVOS:
ilusão, mentira, engano, sucesso efêmero, vícios, magia negativa, paixões descontroladas, disputas, confusão, desejos destrutivos, excessos, precipitação, impaciência.




*RAINER MARIA RILKE (retirado do livro O Tarô da Deusa Tríplice)
Postar um comentário